Para uma redação nota 1000

A primeira lição é o óbvio ululante. É o que você está fazendo agorinha: ler. Leia o que quiser, o que puder, o que estiver ao seu alcance porque a leitura faz parte da base da escrita.

Ler firma o alicerce do pensamento que se desenvolve à medida em que as linhas são decifradas. Tranquilize-se quanto ao gênero que você mais gosta de consumir. Sejam quais forem suas preferências, suas leituras constroem uma estrada que leva, naturalmente, a escrever. Basta querer. São dois os lados da moeda: ler e escrever. E vice-versa.

Da primeira lição, proponho uma atividade: adquira um caderno e anote as frases e sentenças que mais marcaram você. Tenha esse caderno com você sempre que estiver lendo. Reproduzir trechos com os quais você se identificou é uma forma de apropriação da obra e isso vai sedimentar suas ideias pois ler não é algo passivo. De jeito nenhum: é uma atitude ativa que descortina horizontes os mais diversos na mente. Olha só esse pedacinho reluzente da obra de Nietzsche: “O homem é corda estendida entre o animal e o Super-homem: uma corda sobre o abismo; perigosa travessia, perigoso caminhar; perigoso olhar para trás, perigoso tremer e parar. O que é de grande valor no homem é ele ser uma ponte e não um fim; o que se pode amar no homem é ele ser uma passagem e um acabamento.” | Assim Falou Zaratustra

Que coisa mais linda, não é mesmo? A gente é uma passagem. Guimarães Rosa, de certo modo, dialoga com Nietzsche. A obra-prima Grande Sertão: Veredas termina assim: “Existe é homem humano. Travessia.” Lembre-se ou saiba que Rosa foi um desbravador da língua portuguesa. Ele sabia manejá-la como poucos. Daí quando ele diz “homem humano”, à primeira vista pensa-se que é um erro, uma redundância. Não é um erro. Não é uma redundância. São muitas as implicações desse “homem humano. A travessia de Guimarães Rosa conduz à escritora Clarice Lispector que em A Paixão Segundo G.H., avisa: “E é inútil procurar encurtar o caminho e querer começar já sabendo que a voz diz pouco, já começando por ser despessoal. Pois existe a trajetória, e a trajetória não é apenas um modo de ir. A trajetória somos nós mesmos.”

Não importa para onde vamos. Somos e construímos nossa estrada. Nossos passos traçam o percurso e se confundem com as escolhas que fazemos.  As veredas que o cérebro percorre ao se deparar com os livros são complexos e necessários ao ato de crescer. Quanto mais lemos, mais crescemos como leitores. Começamos a ficar mais exigentes porque devorar obras inteiras vai se tornar um hábito. Não há contraindicações para o ato de ler. Quanto mais, melhor.

Tenha o caderno com você sempre que estiver lendo. Consiga também um menorzinho, tipo caderneta e leve-o aonde você for. Escreva o que der na telha. Pensamentos seus e de outrem. Coloque no papel sem censura. Apenas impeça que as palavras voem para bem longe. Agarre-as. Aprisione-as na sua caderneta.

Mantenho o costume de copiar textos de outrem até hoje. Tenho volumes e mais volumes cheios de citações. É gostoso colecioná-las e isso dá a medida de que tudo o que já foi impresso edifica um acervo universal que está ao alcance de quem começa a buscar. Acredito que os livros são retalhos de uma colcha infinita de sensações, emoções, sentimentos e sonhos humanos, demasiado humanos. E você? Qual é a sua visão sobre a literatura? Que tal escrever sobre isso?

Ah, outra dica: espalhe livros por toda sua casa – menos em locais acessíveis ao seu cachorro, por favor. Cachorro adora comer papel, não é?

Vai que você está na sala para assistir àquela série sobre a Segunda Guerra Mundial.

foto (6)

… então, a primeira lição é: leia. Bastante. Se você não gosta de ler, comece a fazer resenhas de filmes. Ou de documentários. Pode ser um jogo. Ou um mangá. Não precisa seguir o modelo de uma resenha perfeita. Faça com o básico. Identifique o nome da obra; ano de lançamento; produtora; direção; roteiro. Faça. Não tenha vergonha. Não tenha medo de crítica. É para seu próprio consumo. Você vai ver que vai destravar a sua escrita.

Tente escrever todos os dias. Inicie suas anotações com o que você mais gosta. Na minha trajetória de leitora, encontrei alguns livros maravilhosos. Na maioria das vezes, foram os livros que me encontraram.

Essa foi a primeira lição para sua redação nota mil. Lição que se desdobra em outras como uma boneca russa. Uma dentro da outra. Arretado demais! Até breve!

 

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s